Um Olhar Fisioterapêutico Sobre As Fáscias

Fisioterapia, Osteoetiopatia , , , ,

Liberação miofascial 2

Fáscia são superfícies de tecido conjuntivo, dispostos no corpo humano em camadas. Elas envolvem e separam os ossos, músculos e órgãos, preenchendo espaços e dão unidade à estrutura, ao mesmo tempo em que criam as condições necessárias a que cada segmento do corpo funcione de maneira adequada. Flexibilizar os tecidos, descolar as camadas umas das outras e reposicioná-las, reduzindo as torções e os encurtamentos observados no corpo, estão entre as principais tarefas empreendidas nesse processo.

No final, esperamos encontrar conjuntos de fáscia e músculos dotados de mais e melhor plasticidade – o que favorece as trocas metabólicas e promove a saúde. Além disso, uma estrutura corporal mais bem organizada está também mais receptiva à experiência sensorial, base física da propriocepção e do autoconhecimento.

É comum pensar o corpo apenas em termos de ossos, músculos e nervos. Para facilitar a compreensão do que é e qual a importância da fáscia no corpo humano, Ida Rolf evocou a imagem de uma laranja. Nessa fruta, a “fáscia” seria a película que forma, separa e ao mesmo tempo une cada um de seus gomos. É ela que cria as condições estruturais que dão forma à laranja – e nos permite reconhecê-la como tal. No corpo humano, a fáscia tem a mesma função, com a diferença básica de que o corpo humano é uma estrutura viva em constante movimento.

Com relação ao que se diz sobre a fáscia muscular, existem várias técnicas que levam a sua liberação sob diferentes aspectos.

Ou seja, miofascial significa fáscia muscular ou fáscia que envolve os tecidos musculares.

Liberação miofascial é uma técnica altamente especializada utilizada por fisioterapeutas para tratar pacientes com uma variedade de problemas de tecidos moles.

Quando as fibras musculares são lesadas, as fibras e as fáscias ao seu redor tornam-se curtas e tensas. Este stress desigual pode ser transmitido através da fáscia para outras partes do corpo, causando dor e uma variedade de outros sintomas em lugares não esperadas. Liberação miofascial trata esses sintomas aliviando a tensão desigual na fáscia lesionada.

Em outras palavras, liberação miofascial é o alongamento da fáscia. Pequenas áreas de músculo são tratadas a cada movimento. Por vezes, o terapeuta utiliza apenas dois dedos para estirar uma pequena parte de um músculo. O feedback que o terapeuta sente determina que músculos sejam alongados e em que ordem.

A aplicação da técnica de liberação miofascial baseia-se sempre nos mesmos componentes. O fisioterapeuta encontra a área de tensão. Um alongamento é aplicado à área contraturada. O fisioterapeuta espera o tecido relaxar e, em seguida, aumenta o alongamento. O processo é repetido até que a área esteja totalmente relaxada. Em seguida, a próxima área é tratada.

O terapeuta encontra pontos doloridos apenas pelo tato. Muitas vezes, os pacientes são incapazes de identificar alguns pontos doloridos ou que estão acostumados a viver com eles até o fisioterapeuta encontra-los. São os pontos gatilhos miofasciais. O tamanho e a sensibilidade desses pontos doloridos vão diminuindo com o tratamento.

A maioria dos pacientes fica surpresa como a liberação miofascial é suave. Pode ser extremamente relaxante. Alguns pacientes chegam a adormecer durante o tratamento.

Liberação miofascial não é massagem. Liberação miofascial é usada para equalizar a tensão muscular em todo o corpo. Tensão muscular desigual pode contrair músculos e comprimir nervos, causando dor. Soltando e manipulando as aderências da fáscia e devolvendo-lhe a sua elasticidade e flexibilidade perdidas consegue-se eliminar dores sejam elas crônicas ou não, do tipo dores miofascias.

Q progresso é medido por uma diminuição na dor do paciente e por uma melhoria na postura geral.

Quem pode se beneficiar de liberação miofascial?
Vítimas de acidentes, traumatismos, infecções e muitas outras situações que criam alterações na estrutura fascial que acabam por resultar em dores.
A Liberação miofascial demanda tempo e atenção individualizada. Tratamentos mais tradicionais de fisioterapia que são menos trabalhosos podem ser tentados antes de se optar pela técnica de liberação miofascial.

Liberação miofascial é altamente eficaz no tratamento de pacientes com os seguintes diagnósticos:
Dores causadas por lesões do tipo golpe em chicote do pescoço, dor cervical crônica, dor de cabeça, alguns tipos de tonturas e vertigens, disfunção com dor na ATM, dor ao longo da coluna torácica, tensão lombar, dor lombar crônica, síndrome do desfiladeiro torácico, queixas de dores complexas pelo corpo, fibromialgia, fibrose, disfunção com dor miofascial, fascíte plantar, sintomas pós-pólio, pontos-gatilho, síndrome do túnel do carpo.

Fonte Clínica Deckers e GSI Brasil- http://fisioteraloucos.com.br/um-olhar-fisioterapeutico-sobre-as-fascias/